Seja bem-vindo!
Meu Cadastro Meus Pedidos Minha Compra 0 itens
Home Conselhos Editoriais Notícias Lançamentos Fale Conosco
 
As Dimensões da Formação Humana
As Faces da Lingüística Aplicada
Caminhos da Construção
Cenas do Cotidiano Escolar
Coleção Desconstruindo a Violência
Coleção Educação Estatística
Coleção Fazer A_Parecer
Coleção Insubordinação Criativa
Coleção Psicologia em Perspectiva
Coleção TerramaR
Desenvolvimento Humano e Práticas Culturais
Discurso e Ensino
Educação
Educação e Psicologia em Debate
Ensaios em Interculturalidade
Estudos da Linguagem
Gêneros e Formação
História, Ciências Sociais e Economia
Histórias de Leitura
Idéias sobre Linguagem
Leitura e Bibliotecas Escolares
Leituras no Brasil
Letramento, Educação e Sociedade
Letras em Série
Lingüística
Lingüística e Psicanálise
Literatura
Memória e História da Educação
Mercado de Letras Fundamental
Mercado de Letras Saúde
Mercado de Letras Temas
Série Aurora
Série Bakhtin - Inclassificável
Série Caminhos da Neurolinguística Discursiva
Série Drogas, Política e Cultura
Série Educação Geral, Superior e Formação Continuada do Educador
Série Educação Matemática
Série Espaços da Linguística de Corpus
Série Estudos do Léxico
Série Estudos em Políticas Públicas e Educação
Série Literatura, Leitura e Educação Infantil
Teoria Literária
 
Detalhes da Obra Mercado de Letras •
Labirinto

(Organização, Apresentação e Notas Jefferson Cano)

• Joaquim Manuel de Macedo

DE R$ 57,00 POR R$ 39,90

Ao longo da década de 1850, a crônica consolidou seu espaço nos jornais brasileiros: publicada semanalmente como uma revista dos acontecimentos mais diversos, passava do teatro lírico ao parlamento, da limpeza pública à literatura, sempre com a mesma leveza própria do estilo e o mesmo peso que qualquer opinião impressa em um jornal tinha para a época. Ao assumir a crônica semanal do Jornal do Commercio, Joaquim Manuel de Macedo já era um nome consagrado, um dos primeiros e o mais popular romancista do período, o “autor da Moreninha”, cuja glória literária fazia sonhar o jovem José de Alencar. Dessa atividade, que, intercalada de períodos de maior ou menor assiduidade, estendeu-se por oito anos, faz parte a série Labirinto, publicada entre abril e dezembro de 1860. Nestas crônicas flagramos um momento em que se cruzam os caminhos de várias histórias um pouco esquecidas: do percurso de um escritor que teve boa parte de sua produção, que foi publicada na forma de crônica semanal, soterrada sob a fama de seu romance de estréia; de um período da história da imprensa em que se definia a configuração do próprio jornal, desenhando-se a sua cartografia num diálogo cotidiano com o público leitor; de uma época, enfim, que é talvez a menos estudada da história do Império, e que aqui, aos olhos de um cronista, apresenta seus embates, anseios e lazeres em toda a grandeza da cotidianidade.


SOBRE O AUTOR

Nascido em Campinas, em 1970, Jefferson Cano é historiador formado pela Unicamp, onde desenvolve atualmente projeto de pós-doutoramento junto ao Cecult (Centro de Pesquisa em História Social da Cultura). Seus trabalhos são voltados principalmente à compreensão das relações entre política e cultura no Brasil Império.


 
 
Por: R$ 0,00
ISBN: 85-7591-041-8
Páginas: 296
Formato: 16 x 23 cm
Altura: 15
Largura: 16
Comprimento: 23
Acabamento: Brochura
Edição:
Idioma: Português
Ano: 2009
 
 
Forma de Pagamento :