Seja bem-vindo!
Meu Cadastro Meus Pedidos Minha Compra 0 itens
Home Conselhos Editoriais Notícias Lançamentos Fale Conosco
 
As Dimensões da Formação Humana
As Faces da Lingüística Aplicada
Caminhos da Construção
Cenas do Cotidiano Escolar
Coleção Desconstruindo a Violência
Coleção Educação Estatística
Coleção Fazer A_Parecer
Coleção Insubordinação Criativa
Coleção Psicologia em Perspectiva
Coleção TerramaR
Desenvolvimento Humano e Práticas Culturais
Discurso e Ensino
Educação
Educação e Psicologia em Debate
Ensaios em Interculturalidade
Estudos da Linguagem
Gêneros e Formação
História, Ciências Sociais e Economia
Histórias de Leitura
Idéias sobre Linguagem
Leitura e Bibliotecas Escolares
Leituras no Brasil
Letramento, Educação e Sociedade
Letras em Série
Lingüística
Lingüística e Psicanálise
Literatura
Memória e História da Educação
Mercado de Letras Fundamental
Mercado de Letras Saúde
Mercado de Letras Temas
Série Aurora
Série Bakhtin - Inclassificável
Série Caminhos da Neurolinguística Discursiva
Série Drogas, Política e Cultura
Série Educação Geral, Superior e Formação Continuada do Educador
Série Educação Matemática
Série Espaços da Linguística de Corpus
Série Estudos do Léxico
Série Estudos em Políticas Públicas e Educação
Série Literatura, Leitura e Educação Infantil
Teoria Literária
 
Detalhes da Obra Mercado de Letras •
Linguagem e Gozo

(Organização: Nina Virgínia de Araújo Leite, Suely Aires e Viviane Veras)

• Nina Virgínia de Araújo Leite
• Suely Aires
• Viviane Veras

DE R$ 66,00 POR R$ 46,20.

O conceito de gozo surge tardiamente na obra de Lacan – no Seminário 7: a ética da psicanálise (1959-1960) –, se o comparamos à precoce incidência da linguagem em sua teorização (1953). Inicialmente derivado da pulsão de morte freudiana, o conceito de gozo vem incluir-se como questão ao longo das formulações lacanianas, e insiste disseminado, trabalhado na língua. Apresentar uma reflexão sobre o gozo a partir de sua articulação com a linguagem implica, de imediato, um pressuposto: não há identificação do ser com o corpo. O ser falante tem um corpo pulsional que é constituído pela incidência da linguagem no real do organismo. Deste modo, os caminhos do gozo estarão inarredavelmente atrelados aos efeitos do significante. Pensar o gozo no contexto dessa determinação levou Lacan a postular outra substância diversa daquelas apresentadas por Descartes: a substância gozante, na medida em que a substância do corpo é definida como aquilo de que se goza. Um corpo, isso se goza. Entretanto, se o gozo é materialmente determinado pelo significante, paradoxalmente é o próprio significante que vem fazer alto ao gozo, impondo a necessidade de refletirmos sobre a perda de gozo que a linguagem introduz. Na presente coletânea encontramos algo como uma caleidoscopia da relação entre linguagem e gozo, distribuída em quatro passagens temáticas: (1) na literatura, (2) outr arte, (3) na clínica e (4) na contemporaneidade.

Há livros para os quais é preciso ter orelha. Escutar é preciso. E é disso que falam os escritos aqui recolhidos. Trata-se mesmo de escutar, de ler em voz alta o que se escreve além dos sentidos, como gozo, em Joyce, Artaud, Woolf, Greenaway, Wolfson e tantos chamados a essa escuta de outros, de que palavra Pessoa, criando ritmos verbais, tocando o corpo das palavras.
Há livros para os quais é preciso ter orelha.
Quanto à do livro, basta pensar uma vez para achar estranho escrever uma orelha, ou escrever nas orelhas. Para que servem, afinal? Viradas para dentro, tapadas, muitas vezes postadas na fresta em que a leitura se interrompeu? Mas um livro sem orelhas deixa sua capa sem dobras, sem lugar para a pulga que o poeta Drummond, lidando com coisas e palavras, deixa em seu Poema-orelha, orelha ou boca sequiosa de palavras?. E, embora a orelha pouco explique do livro, o poeta fia-se nela para recomendá-lo ao leitor.
Há livros para os quais é preciso ter orelha.
Na orla, na margem, no beiral, as orelhas se abrem para que as vozes atravessem o livro e ressoem. Que o livro seja menos para entender e mais para espicaçar, para levar a becos sem saída, para contrariar nossos valores. Escutar é preciso. Ecos de Pessoa e de um escrito no folhear de Bernardo Soares: Apenas é compreensível dar bons conselhos aos outros para saber bem, ao agir o contrário, que somos bem nós, bem em desacordo. (Viviane Veras)

SUMÁRIO DA OBRA

APRESENTAÇÃO

... NA LITERATURA

JOYCE E LACAN: UM GOZO DITO OPACO
Cláudia Thereza Guimarães de Lemos

VERTIGEM E DISPERSÃO OU DOS MODOS DE GOZO EMCLARICE LISPECTOR E EM VIRGINIA WOOLF
Flávia Trocoli

O JOYCE DE LACAN E (´) O NOSSO
Luiz Alberto de Miranda

ANTONIN ARTAUD: ARTE E SUBJETIVIDADE
Sonia Borges

1 - 1 = O : SUBTRAÇÕES PSÍQUICAS
Edson de Sousa


... OUTR ARTE

UMA CALIGRAFIA CINEMATOGRÁFICA: SOBRE ESCRITA,CORPO, CINEMA E PSICANÁLISE
Heloisa Caldas

O(A)BJETO: REFLEXÕES EM TORNO DASOCIEDADE E DA ARTE CONTEMPORÂNEAS
Marcio Pizarro

LALÍNGUA: TERRITÓRIO DO GOZO / GOZO: TERRITÓRIO DE LALÍNGUA
Nina Virginia de Araújo Leite

GOZO: O QUE NÃO TEM CONCERTO NEM NUNCA TERÁ
Viviane Veras


... NA CLÍNICA

INVOCAÇÃO E MALDIÇÃO
Angela Vorcaro e Flávia G. Dutra

A VOZ EM SILÊNCIO
Cláudia Aparecida de Oliveira Leite

MARCAS CORPORAIS: GOZO E PSICOSE
Suely Aires

ANOREXIAS: GOZO OU BARREIRA
Eliana Benguela


... NA CONTEMPORANEIDADE

DA CONDIÇÃO DE SUJEITO NA CULTURA ATUAL
Eduardo Verano

O POUCO DE LIBERDADE
Ricardo Goldenberg

O DISCURSO DO CAPITALISTA, A PSICANÁLISE E A EDUCAÇÃO
Rinaldo Voltolini


(capa: Vande Rotta Gomide)
(foto: Rennato Testa)


 
 
Por: R$ 46,20
ISBN: 978-85-7591-070-2
Páginas: 216
Formato: 16 x 23 cm
Altura: 10
Largura: 16
Comprimento: 23
Acabamento: Brochura
Edição:
Idioma: Português
Ano: 2009
 
 
Forma de Pagamento :