Seja bem-vindo!
Meu Cadastro Meus Pedidos Minha Compra 0 itens
Home Conselhos Editoriais Notícias Lançamentos Fale Conosco
 
As Dimensões da Formação Humana
As Faces da Lingüística Aplicada
Caminhos da Construção
Cenas do Cotidiano Escolar
Coleção Desconstruindo a Violência
Coleção Educação Estatística
Coleção Fazer A_Parecer
Coleção Insubordinação Criativa
Coleção Psicologia em Perspectiva
Coleção TerramaR
Desenvolvimento Humano e Práticas Culturais
Discurso e Ensino
Educação
Educação e Psicologia em Debate
Ensaios em Interculturalidade
Estudos da Linguagem
Gêneros e Formação
História, Ciências Sociais e Economia
Histórias de Leitura
Idéias sobre Linguagem
Leitura e Bibliotecas Escolares
Leituras no Brasil
Letramento, Educação e Sociedade
Letras em Série
Lingüística
Lingüística e Psicanálise
Literatura
Memória e História da Educação
Mercado de Letras Fundamental
Mercado de Letras Saúde
Mercado de Letras Temas
Série Aurora
Série Bakhtin - Inclassificável
Série Caminhos da Neurolinguística Discursiva
Série Drogas, Política e Cultura
Série Educação Geral, Superior e Formação Continuada do Educador
Série Educação Matemática
Série Espaços da Linguística de Corpus
Série Estudos do Léxico
Série Estudos em Políticas Públicas e Educação
Série Literatura, Leitura e Educação Infantil
Teoria Literária
 
Detalhes da Obra Mercado de Letras •
Grupos Escolares

Cultura Escolar Primária e Escolarização da Infância no Brasil (1893-1971) Diana Gonçalves Vidal (Org.)

• Diana Gonçalves Vidal

O pesquisador que se propõe como desafio investigar a cultura escolar primária e/ou a história da infância brasileira no período republicano depara com a presença freqüente dos grupos escolares. Surgidos no corpo das leis desde 1893, em São Paulo e no Rio de Janeiro, regulamentados e instalados a partir de 1894 no estado de São Paulo, os grupos escolares emergiram ao longo das duas primeiras décadas republicanas nos estados do Rio de Janeiro (1897); do Maranhão e do Paraná (1903); de Minas Gerais (1906); da Bahia (1908), do Rio Grande do Norte, do Espírito Santo e de Santa Catarina (1908); do Mato Grosso (1910); de Sergipe (1911); da Paraíba (1916); e do Piauí (1922); e somente foram extintos em 1971, com a promulgação da Lei 5.692. Acolheram, ao menos, duas gerações de brasileiros em seus bancos e foram responsáveis pela inserção de uma significativa parcela da população nacional no universo dos saberes formalizados, transformando-se para muitos na própria representação de escola primária. Conhecer aspectos dessa história e pensar sobre as marcas que exibe hoje o ensino fundamental – fruto das relações estabelecidas no passado – é o principal objetivo deste livro.

Sobre a organizadora: Professora de História da Educação na Faculdade de Educação da USP. Coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em História da Educação (Niephe) na mesma instituição. Pesquisadora do CNPq. Atualmente assume a presidência da Sociedade Brasileira de História da Educação (2003-2007).


ESGOTADO

 
 
Por: R$ 0,00
ISBN: 85-7591-052-3
Páginas: 376
Formato: 16 x 23 cm
Altura: 18
Largura: 16
Comprimento: 23
Acabamento: Brochura
Edição:
Idioma: Português
Ano: 2009
 
 
Forma de Pagamento :